Praça São Francisco, São Cristovão- SE

Praça São Francisco, São Cristovão- SE
Praça São Francisco, São Cristovão-SE. Patrimônio da Humanidade

segunda-feira, 11 de dezembro de 2017

Examinando o crescimento de 0,1% do PIB no 3º trimestre de 2017


Ricardo Lacerda

O governo central comemorou efusivamente, com a cumplicidade mais do que benevolente dos meios de comunicação, o terceiro crescimento sucessivo do PIB trimestral, mesmo tendo o resultado do 3º trimestre registrado aumento de apenas 0,1%, quase traço.
O esforço publicitário na divulgação do resultado do PIB integrou a mobilização geral que se assiste nas últimas semanas pela derradeira tentativa do governo de votar a reforma da previdência ainda esse ano. Do ponto de vista do governo, é preciso convencer a população que a economia encontrou o rumo da retomada do crescimento e que a reforma previdenciária é etapa fundamental para consolidar o ajuste e assegurar que não haverá risco de reversão na recuperação econômica. A julgar pelas pesquisas de opinião, o público não demonstra muito entusiasmo, nem em relação à recuperação da economia, muito menos com a reforma previdenciária.
Afinal, o crescimento de 0,1% no 3º trimestre foi bom ou foi ruim? Significou que a economia brasileira confirmou a retomada do crescimento ou revelou sua debilidade? A resposta mais razoável para tais questões é: depende das expectativas que cada um tem em relação ao que o crescimento econômico deve promover e da velocidade que a economia deveria se expandir para atender minimamente tais expectativas. Até me arriscaria avaliar que se o objetivo principal da retomada é proporcionar a recuperação de emprego e renda para a população e promover o reequilíbrio das finanças públicas, mesmo que em um horizonte de prazo bastante largo, poder-se-ia afirmar que o resultado do PIB é um copo ¼ cheio e ¾ vazios.
Sustentabilidade e fragilidade
É importante registrar que o anúncio do PIB do 3º trimestre foi acompanhado pela revisão para cima dos resultados dos dois trimestres anteriores, de 1% para 1,3%, no 1º trimestre, e de 0,2% para 0,7%, no 2º trimestre.  Com isso, as projeções de crescimento para 2017 devem ser revistas levemente para cima. O Relatório de Mercado- Focus elevou de 0,73% para 0,89% a projeção do crescimento do PIB para 2017, sem impacto, todavia, no crescimento para 2018.
Se a projeção anual foi revista a maior, uma correção mais de caráter estatístico do que uma mudança de fundo na atividade econômica, os resultados trimestrais assinalam, sem sombra de dúvida, uma desaceleração do ritmo de crescimento na margem, de 1,3%, no 1º trimestre, para 0,7%, no 2º trimestre e, finalmente, de 0,1% no 3º trimestre.
Alguns analistas questionaram se essa evolução não poria em dúvida a própria sustentabilidade da retomada do crescimento, que poderia ter sido associado nos dois primeiros trimestres a fatos extraordinários, não recorrentes; respectivamente o salto na produção agrícola, no 1º trimestre, e o impacto da liberação dos recursos do FGTS e do PIS sobre o consumo das famílias, no 2º trimestre e ainda com impacto no 3º trimestre.
Ainda que esses efeitos tenham participado de fato com peso significativo nos resultados do PIB na primeira metade do ano, a abertura dos dados, tanto do lado da produção, quanto do lado do dispêndio, parece afastar essa preocupação de que a recuperação não venha se mostrar sustentável nos próximos trimestres, sem deixar de confirmar, por sua vez, que ela tem sido lenta e vacilante e que vai demorar muitos trimestres até que a população perceba melhorias mais robustas. Os congressistas estão conscientes disso.
Produção
O Gráfico 1 apresenta a evolução dos PIBs trimestrais em relação aos trimestres imediatamente anteriores, já livre dos efeitos sazonais, segundo os setores e alguns subsetores  de atividade mais significativos.  

No 1º trimestre de 2017 foi a recuperação da produção agrícola, depois dos efeitos da estiagem no ano anterior, o principal fator do incremento do PIB, mas o início da recuperação da indústria de transformação, depois de anos de retração,  e o incremento do comércio também contribuíram.
Depois do forte impulso no 1º trimestre, o setor agropecuário apresentou resultados negativos nos 2º e 3º trimestres, sem prejudicar o incremento anual que deverá ser superior a 10%.
O incremento do PIB no 2º trimestre, pelo lado da oferta, foi explicado principalmente pela expansão das atividades comerciais e pelos subsetores de transporte e de outros serviços. O crescimento desse período pode ser parcialmente atribuído à expansão do poder de compra das famílias associado à liberação de mais de R$ 40 bilhões de recursos do FGTS. 
No 3º trimestre, indústria de transformação, comércio e, em menor grau, serviços puxaram para cima o crescimento da economia, enquanto o setor agropecuário empurrou para baixo. Assim, excluídos fatores muito específicos do setor agropecuário, muitas das mais importantes atividades econômicas apresentaram crescimento relativamente bom no 3º trimestre, permanecendo, todavia, a preocupação com a construção civil, que tem peso muito significativo no PIB e no emprego continua sem se mexer do lugar.



Fonte: IBGE. CNT
Dispêndio
O exame dos componentes do dispêndio provê elementos adicionais para avaliar o comportamento do PIB em 2017. Como apresentado no Gráfico 2, o consumo da família apresentou incremento robusto, tanto no 2º quanto no 3º trimestres, em parte por conta da redução da inflação e dos juros nominais, em parte por conta da liberação dos recursos do FGTS, em parte por conta do incremento da ocupação, mesmo com vínculos precários de trabalho. O consumo do governo tem se mantido em ligeira retração ao longo de todo ano.
Um aspecto interessante é que o setor externo, que vinha contribuindo em termos líquidos para a expansão do PIB, deixou de fazê-lo no 3º trimestre, não porque as exportações de bens e serviços tenham deixado de crescer, e sim porque o incremento do nível de atividade interna impulsionou a demanda bastante comprimida de bens, seja para consumo das famílias, seja para a atividade produtiva. Os investimentos apresentaram evolução positiva, mas a partir de uma base de comparação muito rebaixada.
Em resumo, do ponto de vista do dispêndio, os gastos do governo puxam o freio da economia, enquanto o consumo das famílias, em parte por conta do incremento da ocupação, em parte por conta dos juros mais baixos nas operações de crédito, põe alguma tração para cima.  A resultante das forças não poderia ser mesmo espetacular, mas é razoável supor que a recuperação, em ritmo lento e desigual setorialmente, tenha continuidade nos próximos trimestres.




Fonte: IBGE. CNT

Publicado no Jornal da Cidade, em 10/12/2017

segunda-feira, 27 de novembro de 2017

Examinando a geração de 5.491 novos empregos em Sergipe no mês de outubro


Ricardo Lacerda*
O resultado de outubro foi surpreendentemente bom.  Foram gerados 5.491 novos empregos com carteira assinada na economia sergipana. Nem os mais otimistas esperavam um saldo tão elevado na geração de empregos formais, mesmo considerando que o início da safra da cana no mês costume ter impacto forte na contratação da força de trabalho, tanto nas atividades de corte da cana quanto na fabricação de açúcar e etanol.  
Há várias formas de indicar o quão positivo foi o resultado, seja em razão do volume de emprego total gerado, seja porque em outros setores de atividade o emprego formal interrompeu a queda e emite sinais de recuperação gradual na contratação: é a maior geração de emprego para o mês de outubro na série iniciada em 2003; e, desde julho de 2011, não coincidia de todos os oito setores de atividade do IBGE apresentarem saldo positivo na geração de emprego em Sergipe, mesmo que em alguns deles o número não tenha sido expressivo.
É óbvio que não é caso para euforia. A crise no mercado de trabalho é muito séria e vai demorar muito tempo antes que o emprego alcance o patamar anterior à crise.  O objetivo do artigo é o de examinar o quanto de excepcional tem o resultado de outubro e o quanto ele pode estar sinalizando a recuperação gradual no mercado de trabalho estadual.
Saldo de emprego
O período de setembro a novembro costuma ser o de maior contratação no ano exatamente pelo inicio do corte e moagem da cana e completamente pelo aquecimento da indústria e comércio com vistas ao atendimento ao incremento da demanda do período natalino. O volume de 5.491 novos vínculos certamente não se repetirá em novembro e em meses seguintes, mas parece haver evidências de que o nível de emprego não apenas deixou de cair na economia sergipana como deverá ocorrer uma recuperação gradual a partir de agora, mesmo que em meses específicos os saldos possam se apresentar negativos.  
A tabela apresentada registra os saldos de emprego formal do CAGED do Ministério do Trabalho nos meses de outubro de 2015, 2016 e 2017, sem incluir os registros fora de prazo. Em todos os setores relevantes os resultados de outubro de 2017 são muito melhores do que os dos dois anos anteriores, refletindo a evolução do nível de atividade econômica.
É verdade que a maior parte da melhoria do emprego no mês se deveu a forte contratação no setor sucroalcooleiro, principal responsável pelos números mais robustos da indústria de transformação (açúcar e etanol) e na agropecuária, na lavoura canavieira (Ver Tabela). O nível de contratação na safra de 2017 da cana-de-açúcar foi bem mais elevado do que em anos anteriores. Mas os desempenhos dos demais setores também se mostraram melhores em outubro de 2017 em relação aos dois anos anteriores, notadamente nas atividades de comércio e de serviços.
Mesmo atividades que ainda não parecem ter saído da estagnação apresentaram sinais de que a tendência de declínio se aproxima do fim, como a construção civil que passou de uma situação de cortar 668 empregos formais, em outubro de 2016, para um quadro de estabilidade em outubro de 2017, com saldo residual de 21 empregos (Ver Tabela). Há uma nítida mudança no quadro do mercado de trabalho em todos os segmentos relevantes, ainda que cada um deles esteja em estágio diferente de recuperação.

Tabela. Sergipe. Saldo do emprego formal nos meses de outubro em 2015, 2016 e 2017, segundo setores de atividade.
IBGE Setor
Saldo do emprego sem os registros de movimentação fora de prazo
out/15
out/16
out/17
Extrativa Mineral
10
-14
8
Indústria de transformação
1.284
1.880
2.908
Serviços Industriais de Utilidade Pública
0
11
117
Construção Civil
-240
-668
21
Comércio
-152
-215
293
Serviços
-160
-402
444
Adm Pública
-8
-29
26
Agropecuária
681
1.549
1.674
Total
1.415
2.112
5.491
Fonte. MTPS-CAGED

Cenário tendencial
No gráfico apresentado procura-se atenuar o caráter excepcional do resultado de outubro para tentar captar o cenário tendencial da geração de emprego a partir da comparação entre os trimestres móveis de 2016 e 2017. Saltam aos olhos três constatações.
A primeira é que os resultados dos trimestres móveis de 2017 são todos melhores do que seus equivalentes de 2016. A segunda evidência é que a partir de maio de 2017 os resultados trimestrais passam a melhorar significativamente, com registros de saldo positivos nos trimestres encerrados em junho, julho, agosto e outubro.
A terceira constatação é que o resultado de outubro foi parcialmente excepcional, diante do salto em relação aos trimestres anteriores, em parte pelo efeito do atraso da contratação do setor sucroalcooleiro de setembro para outubro, sobrecarregando o resultado desse último mês. Mas os segmentos de comércio e serviços também reagiram. E como complemento da constatação anterior, é possível inferir que há uma nítida tendência de recuperação do emprego em Sergipe, mas não com a velocidade que o resultado de outubro poderia sugerir.





Fonte. MTPS-CAGED

segunda-feira, 20 de novembro de 2017

A atribulada retomada da ocupação


Ricardo Lacerda

Os dados da PNADc do terceiro trimestre de 2017 confirmam que a ocupação da força de trabalho vem aumentando, mas o mercado de trabalho permanece muito fragilizado, devendo demorar muitos trimestres até que a taxa de desocupação se situe abaixo de 10%. Até o momento, não dá para falar ainda em copo meio cheio meio vazio.
Surpreende a velocidade de transformação no mercado de trabalho brasileiro. Entre o segundo e o terceiro trimestres de 2017, um milhão de pessoas encontrou algum tipo de ocupação no Brasil.
A recuperação da ocupação vem ocorrendo muito desbalanceada no que se refere à posição das pessoas no mercado de trabalho. Cerca de 2/3 das novas ocupações nessa comparação com o trimestre imediatamente anterior eram de pessoas que trabalhavam por conta própria (37,9%) ou em empregos no setor privado sem carteira assinada (27%). 
No trimestre, o emprego formal no setor privado recuou 2,4%, ou 31 mil vínculos, mas na maioria dos setores de atividade é razoável inferir que esse tipo de vínculo parece ter atingido ou estar próximo de chegar ao fundo do poço, com problemas concentrados em duas atividades: agropecuária e construção civil.
O principal fato novo no 3º trimestre foi o incremento da ocupação na construção civil, mas, aparentemente, o aspecto sazonal deve ter prevalecido, não havendo clareza que a ocupação no segmento vá começar a recuperar a partir de agora.

Posição na Ocupação
Ainda falta muito para que o mercado de trabalho reponha as ocupações perdidas e crie oportunidades para os novos contingentes de jovens que buscaram uma colocação no mercado de trabalho nos últimos três anos. A PNAD do terceiro trimestre constatou que 13 milhões de pessoas estavam desocupadas no Brasil, frente às 6,7 milhões de pessoas nessa situação no 3º trimestre de 2014.
Considerando apenas a reposição nas ocupações perdidas, há muito ainda a caminhar, com situações diversas de acordo com a posição na ocupação e do setor de atividade, como veremos nas tabelas a seguir.
A coluna A da Tabela 1 mostra que 1.462 mil pessoas encontraram ocupações entre o 3º trimestre de 2017 e o mesmo período de 2016. Foi o primeiro resultado positivo nessa comparação anual. Em relação ao pico em 2014, a ocupação no 3º trimestre de 2017 é ainda inferior em 972 mil pessoas (Coluna C).
Observe-se que a redução do contingente de pessoas ocupadas no 3º trimestre atingiu seu ponto máximo em 2016, quando em relação a 2014 haviam sido eliminadas 2,4 milhões de ocupações.
Em todos os sentidos, foi notável o esforço feito pela população brasileira para buscar alternativas de sobrevivência em uma economia em profunda recessão, mesmo que em posições precárias de ocupação, como trabalhador por conta própria ou aceitando vínculos empregatícios informais.
O quadro do mercado de trabalho formal no 3º trimestre de 2017 permaneceu muito precário. Na comparação com o mesmo trimestre do ano anterior (Coluna A da Tabela 1), o número de pessoas com emprego formal no setor privado havia recuado em 810 mil pessoas, o que é um contingente ainda muito expressivo. Na comparação com o volume de pessoas ocupadas no 3º trimestre de 2014 (Coluna C da Tabela 1), a quantidade de pessoas ocupadas com vínculo formal no setor privado havia decrescido em 3,6 milhões.
Parcela expressiva dessas pessoas buscou, nessa comparação, ocupação por conta própria (1,4 milhão de pessoas), emprego sem carteira (655 mil pessoas), como empregador ou em trabalho doméstico.


Tabela 1. Variação do número de pessoas ocupadas segundo posição na ocupação (em mil pessoas)
Posição na ocupação
Coluna A
3T 2017  em relação ao 3T 2016
Coluna B
3T 2016  em relação ao 3T 2014

Coluna C
 3T 2017  em relação ao 3T 2014
Total
1.462
-2.434
-972
Empregado no setor privado, exclusive trabalhador doméstico
-169
-2.529
-2.698
Com carteira de trabalho assinada
-810
-2.543
-3.353
Sem carteira de trabalho assinada
641
14
655
Trabalhador doméstico
54
144
198
Empregado no setor público
161
-230
-69
Empregador
163
324
487
Conta própria
1.057
382
1.439
Trabalhador familiar auxiliar
198
-527
-329
Fonte. IBGE. PNADc Trimestral
Ocupação setorial

A Tabela 2 mostra comparação similar do ponto de vista do setor de atividade. Na comparação com o mesmo trimestre de 2016 (Coluna A), apenas o setor agropecuário e a construção civil contavam com contingentes menores de pessoas ocupadas no 3º trimestre e 2017.
Na comparação com o 3º trimestre de 2014, há perdas expressivas de ocupação em atividades muito importantes com destaque para a indústria de transformação, com menos 1,4 milhão de pessoas ocupadas, e a construção civil, menos 741 mil pessoas ocupadas, considerando tantos os vínculos formais quanto os informais.
Para onde essas pessoas se dirigiram em busca de alternativas de subsistência?  Na comparação com a situação de igual trimestre de 2014, para ocupações por conta própria, como empregados sem carteira, ou como empregadores; no segmento de alimentação e alojamento, no setor de transporte, no comércio, nos serviços domésticos e outros serviços e na administração pública. 
Os dados da PNADc do 3º trimestre de 2017 parecem sinalizar que a recuperação do mercado de trabalho deverá seguir desbalanceada em termos setoriais e de posições na ocupação. E que muita água deverá rolar até que o emprego formal possa voltar a crescer em ritmo intenso.


Tabela 2. Variação do número de pessoas ocupadas segundo setor de atividade (em mil pessoas)
Setores de Atividade
Coluna A
3T 2017  em relação ao 3T 2016
Coluna B
3T 2016  em relação ao 3T 2014

Coluna C
 3T 2017  em relação ao 3T 2014
Total
1.462
-2.434
-972
Agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e aquicultura
-400
-576
-976
Indústria geral
245
-1.820
-1.575
Indústria de transformação
205
-1.636
-1.431
Construção
-268
-473
-741
Comércio, reparação de veículos automotores e motocicletas
410
-144
266
Transporte, armazenagem e correio
116
361
477
Alojamento e alimentação
562
478
1.040
Informação, comunicação e atividades financeiras, imobiliárias, profissionais e administrativas
487
-1.109
-622
Administração pública, defesa, seguridade social, educação, saúde humana e serviços sociais
51
608
659
Outro serviço
214
42
256
Serviço doméstico
28
205
233
Atividades mal definidas
15
-5
10

Fonte. IBGE. PNADc Trimestral

Publicado no Jornal da Cidade, em 19/11/2017